• CMurville

PASSEIO DE BICICLETA


O dia estava maravilhoso, ensolarado, aproveitei então para dar uma volta de bicicleta. Sentia o vento e o sol acariciando a minha pele, meu coração transbordava de alegria. Fui cantarolando e apreciando o que percebia à minha volta; os passarinhos, as árvores, as flores, as pessoas, sons, aromas, tudo! Estava feliz.

Logo topei com um mendigo deitado na calçada. O sujeito me pareceu muito infeliz. Que sofrido viver daquele jeito, na rua, sem um teto para dormir! Apiedei-me dele. Tinha um dinheirinho separado para o lanche. Não hesitei. Dei a ele tudo que tinha no bolso.

Ao ver a grana, o cara imediatamente a agarrou de modo rude. Não disse nada, nem olhou para mim e voltou a se ajeitar debaixo de sua coberta suja.

Fiquei surpresa com a reação do homem, que se enfiou em seus trapos resmungando sozinho. Ele tinha acabado de ganhar uma grana para o lanche e reagia daquele modo?!

Prossegui o meu passeio. Porém o dia não estava mais tão maravilhoso. O maltrapilho não me saía da cabeça! Eu não conseguia mais ver ou apreciar qualquer coisa à minha volta. Tampouco tinha vontade de cantarolar. Tudo bem que o cara vivia em condição muito difícil, mas dei a ele uma grana e ele foi agressivo, nem olhou para mim!

Agora, eu é quem falava sozinha! Até parecia que a energia desagradável do rabugento tinha vindo parar em mim! Só podia ser isso. Sei que acontecem trocas de energia entre as pessoas, teria que me limpar da zurumba que o sujeito tinha passado para mim.

Um pouco mais adiante, encontrei uma amiga. Contei-lhe o ocorrido. De certa forma, jogava para cima dela o meu mal-estar, mesmo sem me dar exatamente conta disso. Mas precisava me sentir mais leve, tinha que compartilhar o lixo que pesava em meu coração.

— Tudo bem dar o dinheiro e ajudar o mendigo — disse ela. — Mas por que deu a grana para ele?

— O cara estava numa pior — expliquei.

— Você deu, não deu? Então, pronto! Você deu a grana para que o sujeito fizesse o que bem entendesse com ela ou para que se comportasse conforme suas expectativas? Ou ainda, será que deu para você se sentir bem?

Logo compreendi que não havia tomado emprestado zica nenhuma do mendigo da calçada. Dar de verdade era doar de coração, sem esperar nada em troca ou nutrir qualquer expectativa em decorrência do ato realizado, que eu eventualmente julgasse bom.

Amor incondicional pressupunha abrir mão do fruto de toda ação, renunciar ao resultado da ação cometida, qualquer que fosse ela, considerada positiva ou negativa, que supostamente teria dado certo ou errado, e seguir em frente, sempre oferecendo o meu melhor a todos os seres.


#miniconto #conto #microconto #bicicleta #bike #passeio #pedalar #pedalada #mendigo #compaixão #amorincondicional #amor #doar #respeito #grana #expectativas #comportamentos #comportamento #egoísmo #egocentrado #dificuldadedavida #sofrimento #moradorderua #maltrapilho #renunciar #falatório #convidados #consciência #mente #pensamentos #literatura #literaturanacional #literaturacontemporânea #Leia #LeiaLiteraturaNacional #projetoecoliterário #mulheriodasletras #autoranacional #autornacional #reflexões #inspiração #textosqueinspiram #livros #leitura #leitores

2 visualizações
  • Facebook B&W
  • Instagram B&W
  • Twitter B&W