• CMurville

Abacaxi Rei



Que abacaxi!, exclamou Zézinho, inconformado com o problema difícil que tinha que resolver.

Mas não havia jeito. Teria que descascar esse abacaxi, e sozinho, pois ninguém queria saber de nada ou de tratar de assuntos chatos.

Enquanto rosnava descontente, na fruteira, o abacaxi silencioso mantinha sua postura imponente, sobressaindo entre as demais frutas que se encontravam ao seu lado. Ele era um rei, tinha coroa.

E estava maduro. Sua vestimenta vistosa tendia ao dourado, indicando que estava pronto para oferecer o melhor de si. Além do mais, o seu perfume não deixava dúvida, era agradável, gentil e doce como mel.

Ele estava mesmo pronto para ser Rei. Pois, além da aura luminosa e da coroa na cabeça, também era humilde. Ficava na fruteira com todo mundo e não reclamava da vida. Para ser rei, tinha que ser humilde, senão como enxergar os outros? Afinal, reis de verdade ocupam o último lugar, se colocam como o menor de todos e tudo que fazem é para que os outros sejam felizes e retomem consciência. Levam todos à volta deles a também se comportarem como Reis. Isso é que era ser chique de verdade!

Zézinho olhou para a fruteira e endireitou a postura. Não reclamou mais e foi cuidar do assunto que tinha que resolver.


#miniconto #conto #abacaxi #rei #literatura #literaturanacional #literaturacontemporânea #Leia #LeiaLiteraturaNacional #projetoecoliterário #mulheriodasletras #autoranacional #autornacional #reflexões #inspiração #textosqueinspiram #livros #leitura #leitores

7 visualizações
  • Facebook B&W
  • Instagram B&W
  • Twitter B&W